Procurador da Fazenda tenta matar juíza a facadas no TRF-3, de São Paulo

0
488

O procurador da Fazenda Nacional Matheus Carneiro Assunção tentou matar a juíza Louise Filgueiras dentro da sede do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, em São Paulo. Assunção invadiu o gabinete da juíza, que foi convocada para substituir o desembargador Paulo Fontes, e chegou a dar uma facada no pescoço da magistrada. O caso ocorre uma semana após o ex-procurador geral da República Rodrigo Janot confessar um plano frustrado para assassinar o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

O homicida em potencial já havia mostrado que não estava com as melhores intenções durante despacho com a desembargadora Cecília Marcondes e ao entrar no gabinete do desembargador Fábio Prieto. Ao descer, pelas escadas, invadiu a sala onde estava Filgueiras.

De acordo com o site Conjur, a juíza trabalhava em sua mesa e foi surpreendida pela invasão do procurador, mas conseguiu se afastar dele, pois as mesas dos desembargadores são grandes e dificultou a ação.

Diante do insucesso, ele jogou uma jarra de vidro contra Filgueiras e o barulho chamou atenção de outras pessoas, que conseguiram imobilizar o criminoso. Assunção foi preso em flagrante.

A ação de Assunção chama atenção pela semelhança com o descrito por Janot, que revelou ter ido armado ao STF para matar o ministro Gilmar Mendes. A diferença é que Janot tinha um alvo específico, usaria uma pistola e não executou o plano, enquanto Assunção parecia não ter plano ou alvo e usou uma faca.

Promotor tenta suicídio
Também nesta quinta, em São Paulo, o promotor de Justiça Thomás Mohyico Yabiku, 50, casado, com atuação na 3ª Vara do Juri da Capital, Fórum da Barra Funda, tentou suicídio.

Policiais militares foram acionados para atender caso na residência de Yabiku. Socorreram a vítima, que havia ingerido um coquetel de remédios triturados num liquidificador, e a levaram ao hospital São Cristóvão.

Segundo relato do Rogério D’Alvia, Delegado de Polícia do 57º DP, a vítima está em estado grave, com risco de morte.

Diário do Poder

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta