A Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgou nesta quinta-feira, 19, o novo Informe Epidemiológico da Dengue no Estado de Sergipe. A diretora de Vigilância em Saúde, Mércia Feitosa, apresentou os dados durante palestra na Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe (Alese), a convite da deputada Goretti Reis. Também foram divulgamos dados sobre a chikungunya e Zika.
Para a Dengue, o cenário atual aponta 8.658 casos notificados, 5.534 casos prováveis, 3.644 confirmados e 12 óbitos. Com relação à chikungunya foram registrados, até o momento, 50 casos. Para a zika não houve confirmação até a semana epidemiológica 34/2019.
“Foi um convite extremamente propício e importante que a Secretaria atendeu de pronto para trazer a discussão para essa casa que têm condições de, também, estar somando e ajudando os gestores estaduais nesse combate. Então, trouxemos o panorama atual mostrando como está o cenário para a dengue, a perspectiva de final de ano e inicio de 2020, além de informar quais são as estratégias que o Estado já está desenvolvendo junto aos municípios e as novas propostas que levaremos aos municípios e aos profissionais de saúde”, comentou a diretora.
De acordo com Mércia, o controle do Aedes Aegypti é uma força tarefa que inclui diversos atores e ações estratégicas. “Realizamos as campanhas publicitárias como o mote “Dengue Mata”, qualificamos os profissionais da Atenção Primária e da Rede Hospitalar, instituímos a ação da Brigada Itinerante nos municípios com alto risco de infestação e publicizamos as informações através dos informes epidemiológicos”, comentou.
As últimas semanas epidemiológicas apresentaram redução no número de casos e com o engajamento da população e a continuidade das ações de campo no combate ao vetor, essa redução será ampliada. “Uma prova disso foi o resultado do último levantamento do índice rápido. Houve a saída de 26 municípios em alto risco para 10, através da intensificação das ações com a Brigada Itinerante, e a participação da sociedade”, reforçou Mércia.
Conforme o quinto Levantamento de Índice Rápido do Aedes Aegypti (LIRAa), realizado de 2 a 6 de setembro, os municípios que estão com alto risco de infestação são: Capela, Itabaiana, Japoatã, Nossa Senhora da Glória, Porto da Folha, Riachão do Dantas, Ribeirópolis, Salgado, Simão Dias e Tomar do Geru. Já São Domingos e General Maynard que estavam com risco alto de infestação foram para baixo risco e os outros 14 encontram-se, agora, com risco médio.
Para a deputada Goretti Reis, a Dengue e a chikungunya são um problema de saúde pública que precisa da intervenção tanto por parte dos municípios como também dos cidadãos. “A gente sabe que a cada dia que passa mais pessoas estão morrendo pela questão da dengue, como também o número de casos notificados, confirmados, está muito superior ao dos últimos anos, o que preocupa e assusta. É preciso a intervenção por parte dos municípios, como também do cidadão, para que ele cuide do seu ambiente domiciliar e seja um colaborador na redução do número de casos”, disse a deputada.
Fotos: Flávia Pacheco ASCOM

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta