A SES, em parceria com a UFS, deu início ao programa ‘Educação em Saúde’, que será contínuo 

 Com a finalidade de orientar os pacientes a respeito de como cuidar da própria saúde para que assim possam melhorar a sua qualidade de vida, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio do Centro de Atenção à Saúde de Sergipe (Case), em parceria com a Universidade Federal de Sergipe (UFS), através do LaBiC (Laboratorio de Bioquímica Clínica) na manhã desta terça-feira, 3, deu início ao programa Educação em Saúde. Na oportunidade, nove estudantes do curso de farmácia da UFS com coordenação e supervisão do professor e doutor Lysandro P. Borges, realizaram uma triagem, na qual foram disponibilizados cerca de 250 testes para averiguar a glicemia e a pressão arterial.

O programa, que será contínuo, consiste em atendimento clínico de terça a sexta-feira pela manhã e  evento triagem, educação e acompanhamento uma vez ao mês. Serão realizados exames de Lipidograma (cinco exames) Creatinina e albumina, Proteína C reativa e  Hemoglobina Glicada. Além dos demais exames e testes clínicos farmacêuticos, com uso de tecnologias aplicadas a saúde. A coordenadora do Case, Jéssica Santos Silva, ressalta a importância e finalidade do projeto e da parceira com a UFS.

 “Traçamos essa parceria com o principal objetivo de proporcionar à população orientações a respeito de como cuidar da própria saúde, o uso racional dos medicamentos e todos os seus benéficos. Trabalhar em parceria com uma equipe multiprofissional é fantástico. O autocuidado é imprescindível para que o processo gere resultados positivos e melhore a qualidade de vida de cada um que aqui passar. Demos início ao projeto hoje, dia 3, e ele será contínuo, não temos data para encerrar e não queremos que ele acabe, porque a população necessita desse cuidado e preocupação”, destaca.

O professor adjunto da UFS,  Lysandro P. Borges, destaca que o Brasil tem um mau controle da diabetes, e o dever das políticas públicas é cuidar e educar os pacientes para que o mau controle da diabetes seja revertido. “Nosso papel é social, tendo em vista o mau controle da diabetes no Brasil, nosso papel é melhor a qualidade de vida dos pacientes, através do cuidado com a sua doença e é exatamente isso que a nossa parceria visa, o cuidado com o paciente, através de um projeto contínuo que prestará orientações e acompanhamentos para que assim melhore a qualidade de vida dos pacientes”, ressalta.

A aluna do curso de farmácia da UFS, Maria Silberlânia de Souza, enfatiza que alguns problemas podem surgir caso não tenha um acompanhamento e cuidados com a saúde. “Muitos pacientes têm diabetes e apesar de usarem medicamentos, alguns não conseguem controlar a glicemia e a longo prazo esse paciente terá complicações, como por exemplo: problemas nos olhos, casos de amputação, por isso é necessário que esse paciente com diabetes controle a sua doença”, revelou.

A operadora de caixa, Maria Edilma dos Santos, já é paciente do Case e ressalta que há mais de três meses não averiguava a sua glicemia e pressão arterial, pois não tem o aparelho em casa e viu nesse projeto a oportunidade de averiguar hoje. “Aproveitei que vim ao Case pegar os meus medicamentos e averiguei a minha pressão e glicemia, há mais de três não fazia isso, porque não tenho o aparelho em casa, mas é sempre bom medir, porque assim saberemos mais a respeito da nossa saúde”, contou.

Fotos: Flávia Pacheco ASCOM SES

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta