A Ronda, ainda, trabalha na prevenção e repressão de atos de violações de dignidade das mulheres, no enfrentamento à violência doméstica e familiar, na garantia do cumprimento das Medidas Protetivas de Urgência, na dissuasão e repressão ao descumprimento de ordem judicial e, por fim, no encaminhamento das mulheres à Rede de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica no âmbito municipal ou estadual.

Lançada este ano, inicialmente em Estância [através da iniciativa de Governo do Estado de Sergipe] a Ronda Maria da Penha consiste em equipes da Polícia Militar (PM) acompanhando 24 horas por dia as mulheres com medidas protetivas estabelecidas na Lei.

Mediante isso, e diante do *crescimento avassalador no número de mulheres vítimas de violência*, a Câmara de Vereadores de Propriá, em parceria com o Segundo Batalhão da PM situado na cidade ribeirinha, realizarão debate no Plenário do Legislativo Municipal com o objetivo de discutir sobre o *enfrentamento à violência contra as mulheres sobre os tipos de feminicídio*, recordando que este é um tema recente no Brasil.

Para importante discussão, foi convidada a comandante da Ronda Maria da Penha da Polícia Militar do Estado de Sergipe, Fabíola Góis

“A lei Maria da Penha tem pouco mais de uma década, mas a lei do feminicídio foi conquistada apenas em 2015*. *E ainda precisa de melhorias”, avaliou Aelson* lembrando também que existem muitas mulheres morrendo sem estar nas estatísticas oficiais.

De acordo com o vereador, a  iniciativa do legislativo ao promover o debate tem a ação objetiva de contribuir para a redução da violência contra a mulher em Propriá.

“Essa é uma pauta global, além disso, temos ainda as violências que não deixam marcas nos corpos, os assédios cotidianos nas ruas, nas festas, uma série de violências que atingem as mulheres que não podem ser esquecidas*. *O ano todo será de lutas”, conclui Aelson*.

Debate ocorrerá no dia 11 de Junho, às 20h.

Por Folha de Sergipe

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta