“Ele deu uma flor e ao mesmo tempo um espinho.”

O Prefeito Iokanaan fez reunião com a maioria de sua equipe de governo e discursou sobre o funcionamento de sua gestão. Como a informação já é pública – nos meios dos que conhecem ou vivem a política local -, ficou claro que foi um chamamento de reaproximação, contudo, uma flor com espinho. Assim foi qualificada a reunião. Natural.

Fazendo análises, elogios, pontuando ações das pastas e permitindo as falas dos participantes, setores foram classificados como “indo bem”, mas, houve quem não ficasse bem, na análise dos próprios da equipe. Em destaque os nomes da Saúde, Educação, Assistência Social, Obras, Finanças e Guarda Municipal. Para quem entendeu ficou o dito popular: “Rapadura é doce, mas não e mole.” Foi um recado?

Sabendo muito bem a direção para em “em que porto queria chegar”, Iokanaan com discurso leve solicitou a união de todos para o bem, não só da administração, bem como também futuro político do grupo, evidentemente de todos. Sabedor de onde parte as arquiteturas contrárias aos seus projetos, ele enviou um recado “claro, siso e direto”, como ele mesmo têm hábito de pronunciar. “Quem não tiver satisfeito, peça para sair […].” A dose de bondade passa ao campo da ingenuidade. Analisou uma fonte: “Iokanaan é ingênuo. Ninguém entrega R$ 6 mil de salário/mês.”

“Se alguém trai você uma vez, a culpa é dele. Se trai duas vezes, a culpa é sua.” – Eleanor Roosevelt. Em 2020 o terreno pode ser bem diferente de hoje. Em um áudio a fala de uma figura do primeiro escalão deixa claro: “Nós somos um grupo. O Prefeito têm que nos ouvir ou agente racha.” 

Ai dos que chamam ao mal bem e ao bem, mal, que fazem das trevas luz e da luz, trevas, do margo, doce e do doce, amargo! – Isaías 5:20.

Por Adeval Marques
Foto: Divulgação
Com informações de terceiros 

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta