Crônica: “O Menino do Opará: Mãe, balance minha rede de novo”

0
198

Numa palhoça pequena, nas margens do meu Opará, eu me criei. O fogão era de lenha, a luz de candeeiro e as camas eram velhas redes de balançar.

Depois que chegávamos da roça, após um dia inteiro de trabalho e cansados, a palhoça era o refúgio, velha morada e hoje lugar de saudades. Mamãe acendia um fogo. Café, farinha e carne seca eram o jantar da noite. Ali pertinho, na velha rede, eu me recolhia após o alimento e logo sentia a rede balançar. Era mamãe que chegava para me ninar, e assim eu pedia: “Mãe, balance minha rede de novo.” Ela então balançava e com sua voz entonada começava a rezar rezando baixinho uma oração:

Deus, meu pai
Senhor de bondade
Proteja meu filhinho
De toda maldade
Abra os seus caminhos
Dando Luz e Proteção
Para ele seguir em frente

Que em sua vida
Eu esteja para sempre
Caminhando ao teu lado
Sendo Luz e Oriente

Depois da oração ela embalava uma canção e logo eu dormia. A canção chamava-se:  “O Menino do Opará.”

Menino que dorme sozinho
Na beira do rio Opará
Eu peço a Mãe d´ água que venha
Seu corpo pequeno ninar

Menino que dorme sozinho
Sem pai, sem mãe pra cantar
Que sonha o sonho sozinho
Sem ter com quem brincar

A noite é amiga de sempre
O dia é irmão e parente
O cobertor as estrelas
Quem pode te machucar?

Guerreiros das matas do Opará
Tupis e Tupinambás, Caetés e Tabajaras
Proteja o meu menininho
De todo mal que há

E assim eu dormia protegido pela força daquela oração e da música de ninar que minha mãezinha querida, com sua voz rouca e chorosa, cantava para me balançar. Aqueles eram dias de alegria e felicidade que prenunciavam  terminar.

Um dia, faz muito tempo, pela manhã cedinho não vi mamãe se levantar. Meu pai disse-me que ela havia saído para buscar outro irmãozinho. Radiante de alegria eu fiquei.

Passou o dia e o outro dia chegou. Mamãe não voltou. Olhei para o canto da palhoça e calado vi meu pai a chorar… O que havia acontecido? Em me indaguei.

Os dias foram passando e eu naquela saudade tão grande sem ter quem me balançar, sem ouvir a oração e a canção de ninar “O Menino do Opará” entrei em tristeza profunda. Então olhei para céu e pedi para o Deus de mamãe, para Mãe d´água, aos guerreiros Tupinambás que trouxessem mãezinha de volta para eu puder dormir e sonhar. Pedi então para Deus: “Deus, traga minha mãe para balançar minha rede de novo.” E assim dormi.

Já era noite velha quando senti no meu rosto um arrepio. Então abri os olhos e percebi a rede balançando, e lá fora, vindo da mata, parecia uma voz cantado a mesma canção de ninar que ela cantava, a canção “O Menino do Opará”.

Meu mundo se estremeceu, eu chorei de alegria sem poder com ela ficar, que triste agonia fiquei e então me pus à chorar. Pensei: “Mamãe de mim não se esqueceu.” Eu continuava sendo seu filhinho, o menino do Opará, e então voltei a sonhar.

Agora, já depois de muito tempo, nos meus dias de aflição, eu sempre digo baixinho: “Mãe, balance minha rede de novo.” Então, como em um sonho encantado, ela vem e começa a cantar para mim que sou o menino do Opará. Como disse Castro Alves: “Eu sou como a garça triste que mora à beira do rio, as orvalhadas da noite me fazem tremer de frio..”

Mamãe se foi, ficou só eu e o Opará.

Por Adeval Marques
Graduado em História

Em tempo:

Opará foi o nome dado pelos índios Caetés, primeiros habitantes da margem esquerda do Baixo São Francisco, lado do hoje Estado de Alagoas. A nova definição de rio São Francisco foi dada pelos viajantes Américo Vespúcio e André Gonçalves em 04 de outubro de 1501. Significa rio-mar.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta