Uma cena que vem causando revolta em Propriá esta acontecendo na agência da Caixa Econômica localizada na Avenida Tavares de Lira. Idosos, mulheres com crianças ao colo, cidadãos e outros clientes se dizem humilhados e pedem mais atenção.

Mais precisamente na manhã de quinta-feira, 28/02, em pleno pagamento do Defeso de Pesca que vem acontecendo por toda semana, a cena de ver amontoados nos cantos da agência, sentados ao chão ou se escorando nas paredes, chamava a atenção. Desde cedo a sala onde localizam-se os caches ficou cheia de gente que, ao tentar fazer o saque nas máquinas eletrônicas, eram impedidas por falta do dinheiro. Os únicos valores emitidos eram notas de R$ 5, 10 e 20 reais.

A informação obtida pelo site, às 09hs:40 de dentro da própria agência, foi a de que o dinheiro só estaria disponível por volta do meio dia em diante ou às 13horas. No complemento da informação era a de que a falta de dinheiro se dava em função do “pagamento da pesca”. Não foi possível falar com o gerente porque o atendimento só era possível às 10hs.

“Não é a primeira vez que isso acontece. Vem sendo quase que rotineiro a falta de dinheiro que nos faz esperar por horas fazendo perder parte do tempo que é precioso”, reclamou um comerciante local. “A Caixa já deveria ter visto essa situação. Não temos a quem recorrer e ficamos a míngua como se fossemos indigentes, estrangeiros e não brasileiros. Perante as leis essa situação não pode acontecer porque os bancos podem fazer previsão de pagamentos”, reforçou Laisa que faz Direito em uma Universidade. Eu vendo de longe meu fiu. Vim de canoa pra tirar esse dinheirinho e fazer umas compras. Quando chegar em casa vou ainda botar no fogo pra comer”, lamentou dona Ana de S. M, uma idosa. Houve reclamações de todo jeito e muita indignação.

O site se coloca sobre o assunto no contato: (79)-9-8849-9585

Por Adeval Marques

Para conferir mais sobre a agência em Propriá, confira aqui:
www.proprianews.com.br/portal/index.php/2017/03/21/caixa-economica-de-propria-criticas-elogios-e-possibilidades/

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA