A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), considerando notícia divulgada na imprensa e em redes sociais a respeito da existência de vazamentos de água nas barragens de Paulo Afonso IV e Moxotó, presta os seguintes esclarecimentos:
Inicialmente, ressalta que a Chesf lida e detém experiência, há mais de 60 anos, com barragens de grande porte que fazem parte dos seus empreendimentos hidrelétricos. Como parte das suas ações,  realiza um criterioso programa de manutenção das instalações, contemplando o devido monitoramento e inspeções nas estruturas civis das barragens, de acordo com o Plano de Segurança de Barragens, atendendo as exigências da Legislação Federal (Lei 12.334/2010) e Regulamentação ANEEL (Resolução 696/2015).
Com relação ao fluxo de água no dreno à jusante do dique da barragem de Paulo Afonso IV, no bairro Perpétuo Socorro, em Paulo Afonso (BA), esclarece que não se tratam de vazamentos e sim de água que aflora do solo. Ressalta que, desde a construção da barragem, este fato é percebido e não caracteriza fator de risco. Isso tecnicamente é denominado de surgências, consideradas comuns em barragens. Conforme as inspeções realizadas periodicamente, o aumento da vazão ocorreu devido a lançamentos irregulares de esgotos domésticos no dreno existente. Apesar de não implicar em riscos para a barragem, a Chesf vem desenvolvendo esforços junto à prefeitura municipal no sentido de adoção de medidas pela mesma, de modo que os esgotos e as águas de chuva, não sejam direcionados para o referido dreno.
Quanto à existência de água em dois locais à jusante da barragem de Moxotó, este fato, da mesma forma que na barragem de Paulo Afonso IV, não caracteriza anormalidade e nem representa riscos para a estrutura. A Chesf realiza, também, nessa barragem, inspeções e monitoramento permanente.
Portanto, as condições das barragens mencionadas estão conforme os padrões de segurança e critérios de projeto, não apresentando nenhum risco que possa comprometer a sua estabilidade.
Fonte: Chesf

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta