Recém constituída, a Associação Aquicultura do Rio São Francisco – PEIXE SF, criada com o objetivo de representar toda a cadeia produtiva da aquicultura na Região da Bacia do Rio São Francisco compreendida pelos lagos de Xingó, Moxotó, Itaparica e Sobradinho, realizou em Paulo Afonso, a sua primeira reunião ordinária. O encontro, além de contar com a presença de produtores, também teve a participação de representantes dos poderes públicos municipais. O encontro aconteceu no auditório do CDTA da Universidade do Estado da Bahia, Campus VIII, em Paulo Afonso – BA.

Além de fortalecer a cadeia produtiva, a Peixe São Francisco trata de questões amplas com discussões que envolvem desde a produção até a preservação dos rios. A pauta que envolveu a construção de grupos de trabalho para levantar, abordar e apresentar propostas aos órgãos competentes, também apontou a necessidade do cadastramento dos psicultores da região e a urgência em resolver problemas relacionados ao aparecimento de baronesas na região de Paulo Afonso e Glória.

As duas cidades, conhecidas também pela forte produção de peixes, vem amargando prejuízos econômicos, sociais e ambientais devido ao grande volume de plantas aquáticas presentes no rio.

“Temos na pauta discussões que passam pela construção da associação, como a criação de grupos de trabalho, planejamento estratégico para o período de 2019 a 2021, apresentação da minuta do regimento interno, entre outros temas que também passam pela preservação como o assunto inerente às baronesas; já estivemos em conversa com representantes de Alagoas, mas precisamos chegar mais perto dos representantes do Estado da Bahia. Sergipe também já demonstrou interesse em conversar para ver o que é possível para resolver essa problemática”, explicou o presidente da Peixe SF, Almeida Júnior, que também destacou a importância do setor que, segundo ele, é responsável pela geração de negócios na região do São Francisco.

A PEIXE SF cumpre o objetivo de defender a cadeia produtiva garantindo métodos de fomentar o desenvolvimento sustentável da atividade na região. Segundo o regimento, a associação também deverá prestar assistência técnica, econômica, política e representativa para os associados. A ideia inicial é que todos os produtores possam ser cadastrados e participem das discussões.

CHBSF

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta