Análise: no julgamento da História o Delegado Alessandro Vieira dá o troco em Jackson Barreto

0
156

Costumo dizer que a coisa mais importante não é o poder, mas sim o que se pode fazer uma vez que dispomos dele. Já o criador do FBI dos EUA, Edgar Hoover, disse que, “Se não olharmos para a História, estaremos fadados a repeti-la”. A eleição atual, no quadro de vitória de Alessandro Vieira, mostra as mensagens emblemáticas pela História.

A esmagadora votação do Delegado de Polícia, Alessandro Vieira, com um total de 474.449, foi para a grande maioria dos analistas políticos como uma grande surpresa. Praticamente desconhecido no mundo político, sem recursos financeiros em relação aos demais, mesmo com um patrimônio pessoal declarado da ordem de 900 mil, envergonhou figuras como o ex-governador Jackson Barreto – só para dar um exemplo – que obteve a metade dos votos dele, ou seja, 204.677. O Baixo São Francisco é uma das regiões em que a política de Governo de Jackson Barreto ficou de costas, outro pequeno exemplo.

Esse foi o troco de Alessandro deu ao ex-governador Jackson Barreto que o exonerou do cargo de Delegado-geral da Polícia Civil do Estado de Sergipe quando ele fazia um brilhante trabalho de investigação que vinha promovendo os resultados que a população de Sergipe tanto necessita nesses dias de má administração pública do Estado.

O jovem Delegado é querido por quem o conhece enquanto homem e profissional da área de segurança. Tem histórico de seriedade e quando atuou em Propriá deixou um grande legado de respeito e seriedade no trabalho que fez juntamente com sua equipe sendo lembrado até os dias de hoje.

Na vitória de Alessandro Vieira existem mensagens que podem ser identificadas. Uma delas é a de que, nesse mar de incertezas, a sociedade já não suporta mais os oportunistas da política que se locupletam do poder em benefício próprio, por status e para continuarem como semideuses. A outra mensagem de que é preciso que novos líderes, comprometidos com os anseios da sociedade, surjam para representar os que não têm vez e voz. O voto em Alessandro Vieira representa um não para alguns que representam às elites políticas instaladas no Estado que há muito deveriam estar cuidando da bondosa velhice, viajando ou cultivando o que a própria política lhes deram em termos financeiros, de imagem, influência e poder pelo voto e amizade do povo sofrido.  Alessandro pode fazer uma nova História ou repetir a que muitos fizeram.

O trabalho de Alessandro foi interrompido pelo “poder” dado a outrem em grau de superioridade, no caso o Governador agora derrotado por Alessandro, Jackson Barreto.  O curso da vida costuma mudar de cena em menos de um segundo, reafirmando que o domínio do destino não esta nas mãos dos “poderes terrenos”.

Jackson Barreto, com sua administração que colocou o Estado com índices lamentáveis no desemprego, educação, etc, foi julgado pelo povo/História. Já Alessandro foi julgado pelas atitudes positivas e contribuição. A História é a ciência responsável em contar e registrar os fatos. Precisamos olhar para ela e não repetir os erros do passado.

Na opinião das urnas Jackson faz um grande favor ao sair de cena política. Quanto ao novo Senador, Alessandro Vieira (REDE), cabe fazer uma nova História que só será contada e julgada no futuro. Na lei da vida, enquanto um sai de cena, o outro entra e a História continua.

Por Adeval Marques
Graduado em História
Foto: internet

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta