Aprovada desvinculação de 25% da receita de Municípios e Estados na CCJ

0
78
Os Municípios, o Distrito Federal (DF) e os Estados poderão ter permissão para retirar das vinculações obrigatórias 25% da arrecadação de impostos e demais receitas até 31 de dezembro de 2023. Essas vinculações obrigatórias foram criadas a partir da Constituição de 1988 e beneficiam alguns órgãos, fundos ou categorias de despesas.
A extensão a esses entes federativos do mecanismo já adotado pelo governo federal, por meio da Desvinculação de Receitas da União (DRU), foi aprovada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) nesta quarta-feira, 6 de abril. O texto acolhido é um substitutivo do senador Romero Jucá (PMDB-RR) à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 143/2015, do senador Dalírio Beber (PSDB-SC), e agora seguirá para o Plenário.
Foi incluída na PEC a prorrogação da DRU, que beneficia a União, até 31 de dezembro de 2023.
Justificativa
Beber disse que os mesmos argumentos que justificam a desvinculação das receitas da União o levaram a propor o mecanismo em benefício dos Municípios, do DF e dos Estados. “Se a situação fiscal dos Estados é delicada, a dos Municípios é crítica”, acrescentou o parlamentar.
Na prática, a DRU permite que o governo aplique recursos atrelados a áreas sociais específicas, como educação e saúde, em qualquer despesa considerada prioritária. Outra utilização tem sido a de ajudar na formação de superávit primário, economia destinada ao pagamento de juros da dívida pública.
Origem
Criado em 1994 com o nome de Fundo Social de Emergência (FSE), o mecanismo serviu para estabilizar a economia logo após o Plano Real. No ano 2000, o nome foi trocado para Desvinculação de Receitas da União, que é previsto no artigo 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Sua vigência foi encerrada em 31 de dezembro de 2015.
Da Agência CNM, com informação da Agência Senado

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta