VEREADOR HELDES GUIMARÃES: O ÚLTIMO DOS MOICANOS NO PT EM PROPRIÁ

0
414

A situação do PT em Propriá vem sendo analisada como difícil. De estrela de primeira grandeza que reunia grande número de partidários filiados, ao ponto de ter poder de decisão nas eleições, na atualidade, segundo o site para consulta pública de filiados, o Filaweb: http://filiaweb.tse.jus.br/filiaweb/filiacao/registro/resultadoLazy.seam?cid=487 , o que se vê é um razoável número de cancelamentos por parte dos filiados na agremiação e o total dos que lá estão são pouco mais de duzentos cidadãos. Em Propriá a estrela vai apagando-se aos poucos. De estrela virou fagulha.

Pelo número de filiados hoje no PT considera-se impossível a eleição de apenas um Vereador. Se não se buscar por outros caminhos é difícil.

Como se não bastasse às desfiliações dos simpatizantes o Vereador João Fernandes de Britto “Fernandinho Britto” deixou o PT para filiar-se em outra agremiação. A saída dele já analisada como nunca tendo sido da ideologia e nem beber da fonte do PT. Alheio às discussões paralelas a verdade é que o Vereador Fernandinho Britto fragiliza ainda mais o quadro do partido que precisa de bons nomes para influenciar a opinião pública. Nesse clima de instabilidade que vive o PT no País há quem diga que as dispersões no partido é sinal de que os dissidentes jamais foram da ideologia petista e muito menos tinham relação de compromisso e defesa com a política dos trabalhadores, em outras palavras, entraram no partido para oportunizar, pela avalanche de ser a bola da vez na eleição de Lula e agora Dilma. Em miúdos mais ainda: foram oportunistas. É a análise de várias vias da sociedade.

Sendo ou não o que implica dizer é que o PT em Propriá teve seu grande auge com Renato Brandão “Renatinho” que conseguia influenciar com seus discursos a maioria da sociedade propriaeense elegendo-se como Prefeito. Tempos depois deixou a estrela do PT filiando-se ao PPS. Outra estrela que deixou o partido foi o ex-Prefeito Paulo Britto. É de se perguntar o que levou a saída dos fundadores do PT em Propriá a deixarem o partido.

Uma situação em espacial chama a atenção. O Professor Alberto Amorim é uma dessas figuras que defendem a ideologia do partido. Ele foi Presidente do Diretório Municipal entre 2002 a 2005, já era um dos últimos moicanos, e também deixou a sigla. No caso do Professor e Historiador Alberto Amorim ele não tinha mandato político e trabalhava pelo fortalecimento do partido em Propriá. Com a sua saída percebe-se o fortalecer da fragilidade da estrela que agora dá sinais de naufrágio. Pergunta-se que grau de influência e persuasão o partido do PT em Propriá terá para fortalecer sua política ativista pela defesa de suas ideologia e trabalhadores e conseguir eleger seus representantes. Será um palanque em silêncio?

Nesse mar de solidão do PT em Propriá navega o jovem Heldes Guimarães que é, na maioria das vezes, visto usando blusas vermelhas e tem participado reforçando algumas manifestações ao lado de classes profissionais. Solitário mais ainda na Câmara Municipal depois da saída de Fernandinho Britto. Vendo a solidão de Heldes no PT já há quem articule sua participação em outro partido e assim fortalecer outro projeto. É a informação.

Com a saída de tantas estrelas do partido em Propriá, baixo número de filiados, sozinho na Câmara Municipal e vendo a situação no País que influencia a opinião pública, o Vereador Heldes Guimarães (PT) vem sendo chamado de o ultimo dos moicanos do PT. Ficando ou saindo sua decisão haverá de ser bem analisada.

São dias difíceis em que passa o PT de Propriá. Um partido que teve tudo para romper com “ciclos” de história local e teve que amargar seu enfraquecimento justamente pelos que lançaram sua ideologia aos olhos do povo. O PT em Propriá, de estrela virou fagulha.

É certo que a sociedade cobrará respostas e que nunca mais se deixará iludir pelos que os influenciaram. Heldes Guimarães continua firme.

Da redação

Adeval Marques

Graduado em História / Unit

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta